Mapeamento de Retina ou Fundoscopia?

O exame de mapeamento de retina é essencial para a avaliação minuciosa do fundo do olho, se diferencia da fundoscopia pelo tipo de equipamento usado. Enquanto na fundoscopia o foco é a área macular, no mapeamento o oftalmologista pode alcançar áreas periféricas e diagnosticar com maior precisão doenças que podem afetar a visão do paciente.

A retina tem a função de captar estímulos visuais do meio externo, identificando luz e cor, e está localizada na parte posterior do olho (fundo do olho). Na prática, a retina a grande responsável pelo sentido da visão. Doenças que afetam a retina podem causar perda irreversível da visão, alguns dos fatores de risco para problemas de retina são trauma ocular, idade avançada, alta miopia, predisposição genética e doenças como Diabetes, Síndrome de Marfan e Retinopatia da Prematuridade.

Com o avançar da idade é inevitável que a visão seja afetada, vista cansada, catarata, descolamento do vítreo e degeneração macular são consequências do processo natural do envelhecimento dos olhos. O acompanhamento é essencial para tratar precocemente problemas de visão e evitar problemas maiores, como descolamento de Retina e a perda central da visão. Enquanto a vista cansada e a catarata são reversíveis com cirurgias, óculos e lentes, os problemas na retina descobertos tardiamente podem não ter cura.

Agende consultas e tire dúvidas pelo WhatsApp (61) 3346-3569

Alguns grupos de risco precisam de mais atenção para retinopatias, nesses casos a fundoscopia ou o mapeamento de retina são recomendados. É comum o endocrinologista encaminhar o paciente com diabetes para um exame de fundo de olho ou para uma consulta com oftalmologista, no mínimo, anualmente, isso devido ao risco da retinopatia diabética, catarata precoce e glaucoma. Oftalmologistas também costumam encaminhar pacientes para um oftalmologista especialista em retina para um mapeamento de retina, a fim de descartar hipóteses diagnósticas ou obter um laudo oftalmológico de um retinólogo, especialmente em casos de trauma com hemorragia vítrea, avaliação pré-cirúrgica em caso de cirurgia de catarata, complicações cirúrgica ou baixa visão após cirurgia de catarata, pacientes que se queixam da visão mesmo após a troca de óculos e pacientes com diabetes, alta miopia ou histórico familiar de retinopatia.

Além dos grupos de risco, existem sintomas que levam o paciente ao consultório de um retinólogo, uma queixa comum é estar enxergando "cobrinhas", "fios de cabelo", "mosquinhas" ou "teias de aranha", especialmente quando olhando áreas bem iluminadas ou paredes claras. Quando relacionado com o descolamento do vítreo, este sintoma é chamado de "moscas volantes", e geralmente não afeta a visão, mas, quando precedido por flashes de luz ou uma mancha preta fixa, como se tivesse perdido parte da visão, pode ser o indício de que houve uma lesão grave na retina. De qualquer maneira, é importante não ignorar sintomas relacionados aos olhos.

O mapeamento de retina ou a fundoscopia, juntamente com outros exames solicitados na consulta oftalmológica, possibilitam ao retinólogo avaliar a saúde da retina e identificar áreas mais finas ou frágeis, susceptíveis a rasgos e lesões. Muitas vezes, o diagnóstico precoce permite o tratamento com fotocoagulação a Laser ou injeção intravítrea, que são menos invasivos e apresentam menor valor do que a cirurgia de retina.

Dra. Liene Midori Nakanishi

Oftalmologista especialista em Retina e Vítreo (CRM-DF 20240 / RQE 12088)